segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

A necessidade


Clique e leia a imagem. Extraído da Biblia - Desafio do Homem
“Era-lhe necessário passar por Samaria” (João 4:4)

Geralmente, usamos a palavra necessidade para falar de algum desejo natural e que muitas vezes é até inconsciente. Por exemplo: Nós entendemos que comer, vestir e algumas outras coisas são uma necessidade. Do ponto de vista humano, necessidade significa coisas que são imprescindíveis para sobrevivência e para o bem estar humano como um todo.

Neste capítulo de João 4, o conceito do Verdadeiro Adorador tem tudo a ver com a Idéia de necessidade. Jesus sai da Judéia em direção a Galiléia e a bíblia apresenta que “era-lhe necessário passar por Samaria.”

O texto fala que Jesus ficou cansado da viagem (v.6). A viagem da Judéia para Samaria tem uma distancia aproximada de 100KM, uma distancia considerável para quem caminhava a pé. Jesus mesmo cansado da viagem começou a conversar com uma mulher totalmente marginalizada do ponto de vista dos judeus porque era necessidade da parte de Deus.

A conversa entre eles passam por fases distintas. A primeira delas é a surpresa e a reação da mulher achando que Jesus é mais um judeu arrogante, principalmente por está oferecendo uma água que é maior que a tradição dela, pois foi o “Pai Jacó” que tinha dado aquele poço. A conversa evolui depois de Jesus revelar a intimidade daquela mulher, e agora a samaritana não vê Jesus como Judeu arrogante, mas como um profeta.

Depois de Jesus falar a mulher sobre o Plano de Deus e a mesma mulher expor no texto que não espera em mais ninguém a não ser em Cristo, Jesus se revela a mulher. Observe que a mulher que tinha ido buscar água ficou tão impactada com revelação que largou o cântaro para trás para anunciar Jesus ao seu povo.  (Versos 7-29)

Resumi a história para fazer a ponte sobre o Verdadeiro Adorador e a necessidade. Verso 31, os discípulos insistiram com Jesus: “Mestre, come!”. A resposta de Jesus ensina algumas coisas sobre o que é necessidade do Verdadeiro Adorador. Ele disse: “Tenho Algo para comer que vós ainda não conheceis”.

Jesus mostrou que entre as muitas necessidades humanas existe uma prioridade para o verdadeiro adorador que é a Vontade de Deus.  Deus procura pessoas que comem a sua vontade. Jesus mostra claramente que a vontade de Deus é a comida do seu dia a dia. Ele prioriza a vontade de Deus como uma necessidade maior do que quaisquer outras necessidades humanas.

Pense: Jesus estava cansado de viagem, muito provavelmente com fome e ainda assim não olhou a sua necessidade humana, mas a espiritual. Por quê? Porque somos seres espirituais. Como cristãos devemos valorizar o que espiritual mais do que qualquer coisa.

O verdadeiro adorador é aquele que come da vontade de Deus. É aquele que entende que sua verdadeira necessidade é cumprir o plano do Eterno. Jesus mostrou como o adorador vê a obra do Pai:

  1. Urgência para se cumprir a vontade de Deus. (v.31) – Não tem tempo para comer
  2. Valorização da vontade de Deus. (v.32) – Tenho algo para comer que vocês ainda não conhecem
  3.  Foco na vontade de Deus. (v.31,32) – Não se deixar levar pela natureza e nem pela compaixão de si mesmo. A Bíblia diz que os discípulos insistiram
  4. Priorização da Vontade de Deus – (v.34) A comida dele é fazer a vontade daquele que O enviou. Comida pode ser substituída por Necessidade. Ele, Jesus, prioriza como necessidade o propósito do Reino de Deus.
  5. Visão. (v.35) A vontade de Deus amplia sua visão. Enquanto alguns vêem o campo pronto para o amanhã, os verdadeiros adoradores enxergam o hoje. Trabalho hoje porque tem a visão certa sobre a vontade de Deus.
  6. Recompensa. (v.36). Deus fala de um galardão e de uma alegria compartilhada para aqueles que vêem e cumprem a vontade de Deus como uma necessidade.
  7. Unidade. (v. 37,38). Um trabalha, outro  colhe. Paulo disse: Eu plantei, Apolo regou, mas Deus deu o crescimento. Esta visão de unidade nos ensina muito sobre trabalho equipe e muito sobre a administração do dono da obra. Nós podemos estar vendo apenas uma parte, mas Deus vê tudo e sabe que semente lançada gerará frutos em seu tempo certo.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Mãe é mãe

A essência do Espírito Maternal é mais uma demonstração a este mundo da existência do Deus que de antemão Planejou tudo, inclusive os instintos. Atrevo-me a dizer que no meio da criação, independente do instinto selvagem ou de sobrevivência ou de qualquer outro, existe um instinto MAIOR. Veja o vídeo abaixo e chegue a conclusão por você mesmo.



Mãe é mãe.

Casamento - Jason Mraz - "I won't give up" Legendado

Queridos,

O casamento é uma instituição de Deus feito como a finalidade de responder a solidão humana e tornar o Ser Humano alguém ainda mais realizado. Entretanto, do outro lado satanás tem distorcido a união ao propor valores superficiais e egoístas dentro do matrimonio.

O ponto chave que devemos entender é que devemos ajustar nossos relacionamentos aos valores de Deus e não ao nosso desejo. É questão de lógica. O desejo humano é limitado e passageiro, voltado a satisfação pessoal. Enquanto os valores de Deus são eternos e voltado a não buscar o próprio interesse. Pela proposta de ambos, obedecer a Deus é mais sensato.

Para ajudar, eu sugiro a musica do Jason Mraz e tbem o texto fundamentado nas Escrituras que ensinam 77 decisões importantes sobre o casamento. (http://solascriptura-tt.org/VidaDosCrentes/VidaAmorosa/77DecisoesImportantesCasamentoLuzBiblia-KleneaC.htm)

Deus abençoe


O poder do Perdão - Mãe perdoa o assassino do próprio filho

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Não saia em Crise, saia em Cristo.

Muitos propósitos há no coração do homem, porém o conselho do SENHOR permanecerá. Provérbios 19:21

Quando sei que estou certo? Que fato me leva a crer que estou caminhando para a a vontade de Deus? O que me leva a ver que estou caminhando para a direção do Espírito e não sendo ludibriado pelo meu coração?

Confesso que é difícil saber pra onde estou indo quando do outro lado você vê pessoas de boa reputação caminhando e agindo no sentido oposto daquilo que você entendeu como direção que a Bíblia nos ensina.

Em números 16, a Bíblia relata sobre Datã, Corá e Abirão, príncipes de Israel que seduziram mais 250 príncipes e o povo contra Moisés. A Bíblia relata que estes príncipes eram homens de boa reputação, consagrados e que Deus estava no meio deles, dando uma impressão de que eles eram importantes na nação. Imagine 253 pessoas sérias e consagradas, se levantando contra duas pessoas. De que lado o povo vai ficar? Não tenha dúvida, ficaram com a maioria. Só que nesta passagem específica, Moisés estava certo, mesmo não tendo o apoio dos líderes e do povo.

Existem situações que às vezes o aparente certo é aquilo que maioria apoia, ou até mesmo aquele cujo o representante parece ser o mais capacitado pela ótica do conhecimento e da escolha humana. Só que no padrão bíblico, o certo é aquele que Deus diz que é. Foi assim com Moisés. Foi assim com Jesus. E será assim todo tempo que envolver a vontade de Deus. A última resposta vem de Deus.

Percebo que a crise é um pouco assim, passamos a procurar o lado mais fácil, mais lógico, onde maioria apoia, mas na ótica de Deus, a crise é uma plataforma de crescimento  que precisamos enfrentar os espinhos e perseverar.

Existem muitos que acreditam que as crises são uma grande oportunidade para filtrarmos o caráter dos envolvidos e também  para encontrarmos soluções. Nas crises, Eu me inspiro em Moisés que em tempo de crise deixou que Deus resolvesse. 

Um último conselho é você pensar que em tempo de crise sempre existe muita coisa em jogo, portanto, o melhor opção é orar a Deus e pedir socorro. Conversar com pessoas equilibradas e sólidas e tentar praticar a máxima de nunca sair em Crise, mas sempre sair em Cristo.

domingo, 9 de junho de 2013

O único Julgamento permitido é o de si mesmo!

Solitude: Examine a si mesmo
1 Pedro 4:17 Porque já é tempo que comece o julgamento pela casa de Deus; e, se primeiro começa por nós, qual será o fim daqueles que são desobedientes ao evangelho de Deus?

Pedro advertia que se os grandes problemas e lutas são tão duros para os justos, então imagine o quão duro será o final daqueles que vivem tendo o prazer no pecado. Se Pedro naquele tempo discernia que já era tempo de julgar pela casa de Deus, então qual o tipo de julgamento que devemos fazer? Pelas escrituras, o julgamento é o auto-exame através do que diz em I Co 11.28ª “Examine-se, pois, o homem a si mesmo." Nota-se que o principal julgamento que devemos fazer é o de nós mesmos. A continuação deste texto diz que se examinássemos a nós mesmo, em nosso meio não existiriam tantas pessoas dormindo na fé. No verso 31 desta passagem o texto diz: Porque, se nós nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados.

Devemos tomar isto como referência. Olhar para dentro de nossa comunidade cristã e fazer o auto-exame. No momento de solitude, em reflexão perguntar: O que estamos vivendo testemunha Deus para a humanidade? O que a maioria dos cristãos tem praticado é o cristianismo ideal? Estas perguntas propõem como caminho para examinarmos a prática da vida de Cristo diante de nossas atitudes. Não estou propondo aqui o Jesus faria se estivesse em minha situação, mas o que Jesus fez enquanto é homem. Para sabermos o que Jesus fez é preciso estudar as Escrituras.

Pedro propôs a preparação continua para responder aqueles que pedirem a razão da esperança em nós.  I Pedro 3:15 “Antes, santificai ao Senhor Deus em vossos corações; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós.” Em resumo: Santificando e se preparando para ser alguém que representa a Deus com temor e mansidão para qualquer um que pedir a razão da esperança que Jesus é em nós. Observou que a RESPOSTA da nossa confissão de fé está inteiramente relacionada com prática de santidade em nossa vida.

Por fim, o único julgamento permitido é o de si mesmo. E a nossa referência é Cristo, seguindo o caminho da Santidade. 

Deus abençoe a todos.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Os Pacificadores 2

“Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens aos quais Ele concede o seu favor.” (Lucas 2:14)

Três pontos que quero destacar:
  • Glória a Deus nas Alturas. Deus não precisa de nos dar motivo para ser glorificado. Ele é o Ser supremo e auto-suficiente. Não precisa da pessoas para glorificá-lo, mas por sua extrema bondade, ele nos designou para louvor de sua Glória. Ao entendermos o princípio da Glorificação do nome de Deus estamos dando o primeiro passo para sermos pacificadores. O entendimento é esse: Isso glorifica a Cristo? - É a pergunta que devemos fazer.
  •  Apesar de Deus não precisar de motivo para ser Glorificado, ou seja, a Glorificação de Deus não tem méritos humanos, ainda assim Deus sempre nós dá muitos motivos para glorificá-lo. O texto diz: Ele concede o seu favor. Deus é gracioso numa profundidade inimaginável ao ponto de nos conceder o seu favor mesmo sem que a gente mereça. Isto é motivo de Glorificação.
  •  Paz na Terra aos homens. Só tem uma razão para existir Paz na terra dos homens segundo o Texto e o nome deste favor é Jesus, o Príncipe da Paz. Os anjos anunciam: Glorifiquem a Deus, pois a oportunidade de Paz de Verdade chegou até vocês. Quando estamos dizendo Paz de verdade, estamos lembrando a fala de Jesus que disse que Paz Dele é diferente da Paz do Mundo, entendendo que a Paz do mundo é uma paz mentirosa.

domingo, 2 de junho de 2013

Os Pacificadores

“Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus;” Mateus 5:9

Direto ao ponto: Um texto que nos leva a ter uma compreensão simples desta passagem é 2 Coríntios 5:18-20 E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação; Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação. De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamo-vos, pois, da parte de Cristo, que vos reconcilieis com Deus.

Embaixador da Reconciliação é o cargo de mais alta patente fora de nossa pátria. A função do embaixador de Deus na Terra é reconciliar os homens com Deus. Os pacificadores na Bíblia são aqueles que são reconciliados com Deus, que também abriram mão do direito de ofensa e por isso no que depende deles sempre terão paz com os homens. A função dos pacificadores é compartilhar o Evangelho da paz do Altíssimo para reconciliar outras pessoas com Deus.

São três pontos importantes
  1.  Reconciliar-se primeiramente com Deus – Ser perdoado, remido, redimido.
  2. Abrir mão do direito de sentir-se ofendido. A oração didática do Pai Nosso diz: “Perdoai as nossas dividas assim como nós temos perdoados aqueles que nos tem ofendido.” – O próprio Jesus diz ao interceder por nós cruz: - Pai perdoa porque eles não sabem o que fazem.
  3.  Depois de perdoado (curado) e de renunciar a si mesmo, devemos levar o Evangelho da Paz para reconciliar os homens com Deus.

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Discipulado - Ser Perfeito

Portanto, sejam perfeitos como perfeito é o Pai celestial de vocês." Mateus 5:48

Estamos diante de uma ordem do Cristo revelado que conflita diretamente com quem somos. Ser perfeito é não ter defeito. Defeito é distorção, é existir sem Deus como padrão. É romper com aquele por quem emana toda PERFEIÇÃO. Então, somos imperfeitos na raiz porque o pecado nos faz romper com o Criador que é nosso padrão.

Observe que a ordem é para que a gente se torne, mas não é uma afirmação dizendo que a gente é. Deus sabe que nenhum de nós chegará ao fim das nossas vidas sem defeito. O sentido aqui é nos ensinar onde está a fonte de nossa perfeição.

Devemos ler esta proposição de Cristo entendendo o sentido completo de todo capítulo de Mateus cinco. Ele está ensinando sobre um conjunto de princípios, incluindo amar os inimigos e orar pelos que perseguem. Ou seja, a proposta está relacionada a ouvir os ensinamentos de Jesus para compreender esta ordem de ser Perfeito.

O texto ensina valores profundos que se aplicados em nossa vida diária seríamos perfeitos, tão perfeitos que em relação ao padrão distorcido humano seríamos chamados de “tolos”.

Estes ensinamentos estão relacionados ao próximo e na ótica Bíblica de Jesus, o próximo não é apenas o conterrâneo ou vizinho ou amigo legal, mas pessoas que não são tão agradáveis e que podem até ser inimigas por alguma rivalidade ou ato ofensivo.

Pelo contexto, parece que os judeus confundiam o entendimento de quem verdadeiramente era o seu próximo, entendendo que podiam até odiar pessoas. Você não vê na Escritura nenhum ensinamento ensinando a odiar pessoas, mas eles concluíam seguindo um sentido literal e associando que quem pratica o mal é o próprio mal.

Enfim, não é este o ensinamento de Cristo. Devemos ter em mente que uma coisa é odiar o mal outro é odiar quem pratica tal ato. Jesus está ensinando neste texto que devemos amar os inimigos e orar por aqueles que nos perseguem, e que deste modo seremos filhos de Deus. A pergunta é por quê? Porque Deus faz isto. Ele ama quem o odeia e intercede por aqueles que o persegue.

A oração do Pai nosso no capítulo 6 de Mateus ensina que a forma de recebermos o perdão é estarmos perdoando os nossos ofensores. Não existe dívida maior do que a que tínhamos com Deus, entretanto Ele nos perdoou. Na ótica do Autor da Vida, quem recebeu o benefício do Perdão também deve compartilhar o benefício do Perdão.

Este ensinamento do texto de Mateus nos coloca diante de uma forte mudança de mentalidade, pois podemos entender que com esta ordem de Jesus nós não devemos conformar com a imperfeição humana. Conformar na Bíblia tem o sentido de se amoldar, acostumar. E é exatamente isso que fazemos, aceitamos o padrão deste mundo.

Jesus é exata expressão de Deus, a exata expressão da Perfeição. A medida do Varão Perfeito. A promessa é que se guiados pelo Espírito, todos chegaremos a Unidade da Fé, a medida de Jesus. Se formos guiados pelo Espírito, teremos a nosso disposição o Perfeito Filo de Deus morando em nós e influenciado diretamente nossas atitudes. A perfeição pode ser vista em nós, quando agimos como Jesus em cada oportunidade que surge. Em cada situação onde alguém se faz inimigo. 

A bíblia diz: Mas eis aqui uma prova brilhante de amor de Deus por nós: quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós.

Que Deus nos conceda esta revelação e força para praticá-la. Em Jesus.

terça-feira, 28 de maio de 2013

Conselho Universal para o Cristão: Dependa de Deus

Mateus 5:3 diz Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus;

Sempre penso na ideia de conselhos universais para os cristãos. Aquilo que independente do tempo, tem sempre alguém (senão todos) que está precisando ouvir ou se lembrar. O interessante é que chego sempre na mesma conclusão. Aquilo que é inicial saber é também o conselho universal que independe do tempo. DEPENDER DE DEUS.

O que significa depender de Deus? Depender é estar sujeito a Deus por carecer Dele. Em resumo seria dizer que Deus é nossa necessidade. O sentindo de dependência na vida humana é muito profundo. O ser não depende de Deus em algumas coisas, mas em todas. A própria Bíblia diz que Ele é o Pão da Vida. 

Entretanto, depender de Deus pode ser bem exemplificado nas disciplinas espirituais das quais precisamos lembrar a nós mesmos da prática delas, lembrando que aceitar sua importância é sempre uma resposta de humildade do ser cristão. Por exemplo:

Existem passos DIÁRIOS relacionados com Dependência de Deus que todo cristão iniciante ou mais maduro precisam sempre exercitar, tais como: ORAÇÃO, LEITURA DA PALAVRA, JEJUM E ADORAÇÃO.

Sobre a oração, podemos dizer que é fundamental para o crente. É a gasolina que faz o carro andar. Não existe oração errada, existe oração não feita. Iniciante na fé, nós tendemos a fazer orações mais endereçadas ao nosso próprio bem estar. Na verdade, as vãs repetições que Jesus condena são um pouco de oração cobiçosa que fazemos, mas até a nossa imaturidade Deus compreende e nos ajuda superar. Agora, quero destacar que a verdadeira oração é de Deus para Deus. Oramos para que a vontade Dele seja feita em nós para que assim possamos dar frutos para Glória Dele. Orar é conversar com Deus e um exercício de confiança em sua provisão, por isso devemos sempre ter em mente que é igualmente um prazer e uma obrigação.

A Bíblia é fonte primária para o cristão ser Cristão, ou seja, aquele que quer ser um imitador de Cristo precisa amar ler e examinar as Escrituras. Nela está o manual que nos conduz a medida do varão perfeito. Não podemos ter as nossas próprias idéias e depois procurar a Bíblia para fundamentá-las, mas devemos ter a Bíblia e a partir dela extrair e construir os pensamentos. A palavra é que nos leva ao propósito de Deus para nós. Ao converter a Jesus Cristo, ler a Bíblia é forma mais constante Dele falar conosco e de procurar a direção certa.

Jejum figura nesta lista como uma prioridade diária, pois sempre precisamos negar a nossa própria carne. Abster-se é uma forma de valorizar o Espiritual e diminuir o carnal. Existem algumas castas de demônio que apenas são vencidas no Jejum e oração como o próprio Jesus disse. Jejuar é uma forma de vencer aquilo que nosso corpo distorcido acredita ser dependente. Jejum na minha humilde opinião é um ato para mostrar para “nossa carne” que dependemos de Deus e não de nossas necessidades físicas. E sabe o que é mais interessante? É que sempre tem alguma coisa que devemos jejuar.

Adorar é muito mais que cantar canções, fazer reverência, rituais e sacrifícios. Adorar faz parte do que a gente é. Fomos feitos seres com uma natureza inclinada a adorar. Faz parte da nossa essência, mas principalmente, faz parte de nossa função. A própria Bíblia mostra por diversas vezes no cenário de apocalipse que adoração é uma prática perfeita e constante no céu. No céu não existe nenhum ser que não adora. É muito sério isso.

Que o conselho do Maravilhoso Conselheiro faça morada em nos corações. Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti. Salmos 119:11 

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Esquema e breve análise da Cena de João 5:1-16

João 5:1- 4
  • A festa dos judeus – Todas as festas foram instituídas por Deus em Israel como diz Levítico 23
  • Era um local conhecido pelos enfermos
  • A tradição do anjo que agita as águas de Betesda (Lugar do derramamento)
João 5:5-9
  • Jesus sabia do longo tempo de enfermidade deste moço (38 anos)
  • Jesus pergunta o óbvio: “Queres ser curado?” (Interesse de fazer o enfermo se abrir) 
  • O homem revela inércia em relação situação e certa resistência por alguns motivos: 
    • Por sua incapacidade de se mover rápido, já que apenas o primeiro após a água agitada era curado. 
    • A descrença do enfermo na compaixão dos homens (Ele não deixou de acreditar em Deus, mas sim nos homens) 
  • A “cura” operada por Jesus (O original dá entender que Jesus deu uma ORDEM) 
  • A tradição expressada pelo Sábado (Dia do descanso) conflitando com o resultado da situação. (Acredito que foi intenção de Jesus ao ordenar pegar a maca)
João 5:10-13
  • A cura que gera controvérsia. (A falta de percepção da vontade de Deus em relação aos homens. A própria Bíblia deixa entender que o sábado foi feito para o homem e não o homem para o sábado)
  • O farisaísmo espalhou aos próprios Judeus (O evento é um milagre, mas eles preferem ver uma transgressão da Lei)
  • A implicância e o pretexto da tradição para perseguirem a Jesus. ( Eles estavam acusando de Jesus de transgredir com um argumento de que leis e coisas são mais importantes que pessoas)
João 5:14-16
  • A advertência de Cristo e a relação da doença dele e o pecado. (Aparentemente Cristo deu a entender que a doença adveio do pecado)
  • O posicionamento, a ingratidão e a preferência dele em relação a tradição. (o homem que foi curado por uma atitude que supostamente feria a tradição, contudo, não se desvincula da tradição)

Paternidade Espiritual



Paternidade Espiritual é algo que tem sido esquecido pela Igreja nos dias atuais. A Bíblia está repleta de informações sobre família de Deus. Em uma família não existe apenas irmãos, ainda que a Bíblia também encoraje a fraternidade dos seus irmãos. Mas, nos textos abaixo o nosso Deus está novamente chamando a atenção para a importância de sermos pais e mães espirituais.

Olha o que diz o texto de 2 Coríntios 6:18 E eu serei para vós Pai, E vós sereis para mim filhos e filhas, Diz o Senhor Todo-Poderoso.” Deus nos vê como uma grande família. Em I Coríntios 4:14-18, Paulo chama a Igreja em Corintos e Timóteo de filhos. Em Mateus 5:48 diz “Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus.” Jesus chama seus discípulos em Marcos 10:24 de Filhinhos. Enfim, existem 13 citações de Jesus e dos apóstolos chamando seus seguidores de filhos e muitas outras fazendo menção sobre a paternidade.

Paulo ao escrever aos filhos amados em Efésios 3:14,15 diz: “Por esta causa me ponho de joelhos diante do Pai, do qual recebe o nome toda a família tanto nos céus como na terra”. Deus é o Pai de quem deriva toda a paternidade, seu significado e inspiração. Paulo está nos mostrando que este é o motivo de oração, a paternidade de Deus.

Dizem por aí que existem três níveis de paternidade no mundo:          
  1. O Pai que gera filhos biológicos.  Só gera e não assume nada na formação.
  2. O Pai super protetor que gera filhos assumindo a responsabilidade de alimentá-los e protegê-los, mas que se esquecendo de corrigi-los como deveria ou deixando esta tarefa para a mulher.
  3. Por fim existe o PAPAI, o paizinho, aquele que faz todas as coisas que outros pais citados fazem, mas que vai além. Este Pai entende que a maior necessidade do filho não está ligado a “super proteção” ou em ter o que Pai não teve em relação a comer do bom e do melhor desta terra, mas a responsabilidade de levar o seu filho a um caráter exemplar. Este é aquele que ensina a criança NO CAMINHO. Este é aquele que ensina com exemplo.
Como na família, assim é na igreja do Senhor. O Papai espiritual investe em seus filhos, tanto no carinho quanto na disciplina. Este é o tipo de Paternidade que a Bíblia tem nos ensinando através do discipulado. Sabe o que é mais interessante: Jesus e Paulo foram os maiores discipuladores que existiram e ambos foram solteiros não tendo filhos. 

Duas características essenciais e comuns entre eles, Jesus e os Apóstolos, são que ambos se referiram a discípulos e enfatizaram o amor como “gasolina” que movimenta o processo de paternidade espiritual. Que façamos como Eles ao compartilhar o amor do Pai gerando filhos espirituais.

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Chamado para sermos Pais Espirituais


Não escrevo estas coisas para vos envergonhar; mas admoesto-vos como meus filhos amados. Porque ainda que tivésseis dez mil aios em Cristo, não teríeis, contudo, muitos pais; porque eu pelo evangelho vos gerei em Jesus Cristo. Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores.” (I Co 4:14-16)

A definição de sinônimo é a palavra ou expressão que possui o mesmo sentido ou que tem aproximadamente um significado parecido a uma determinada palavra. Um dos sinônimos do significado de Discipulador nas Escrituras é “Pai Espiritual”. Paulo admoestou chamando o cristão de Coríntios de Filhos em Cristo, logo, se propôs a posição de Pai espiritual.

Existe uma verdade nas Escrituras a partir do Novo testamento – Fomos feitos filhos amados de Deus por intermédio de Jesus. Fomos chamados para ser a imagem e semelhança Dele. O próprio Jesus na oração modelo conhecido como “Pai Nosso” nos ensinou a um novo tipo de relacionamento com Deus, o de filhos. Ele começa a oração dizendo: "Pai nosso que estais no céu". Ou seja, Jesus apresenta para nós o sentido de Pai Espiritual.

As ordens do discipulado e de outros ensinamentos de Jesus são: Como filhos, nós imitamos ao Deus filho, Jesus. Como Pais, nós imitamos ao Deus Pai que mostrou a sua exata expressão no filho. Ou seja, nossa função é ser e fazer filhos espirituais, assim como Jesus foi e fez.

Todos devem ter em mente que ao mesmo tempo em que somos filhos de Deus, fomos designados para sermos pais espirituais de filhos que o Pai nos entregará como ensina a oração sacerdotal em João 17.

A nossa preocupação com os filhos que o Pai nos entregou deve consistir em assumir se o discípulo tem o que comer, tem trabalho e outras coisas. Mas, principalmente, nosso alvo deve ser ministrar o Evangelho em um nível profundo que leve a pessoa ao caráter de Cristo, o filho perfeito de Deus.

Portanto, Paulo diz: "Admoesto-vos". Ou seja, repreendo a vocês para que sejam meus imitadores. A repreensão nos chama a atenção para alguém que é solteiro, mas que se vê como Pai de filhos espirituais. É uma convocação a imitar alguém que gera outras pessoas em Jesus. Imitar é ser um Pai espiritual de muitos filhos que Deus nos entregará.

Deus abençoe

Daniel Moreira

terça-feira, 16 de abril de 2013

Sabedoria


“Não sejas sábio a teus próprios olhos; teme ao SENHOR e aparta-te do mal.” Pv 3:7

Confesso que tenho muitos medos relacionados à fraqueza do meu caráter. Um destes receios é mostrar uma sabedoria humana, que aparente ser boa, mas que não é certa e nem assertiva do ponto de vista de Deus. Afinal, a sabedoria deste mundo é um mero vento de insanidade perto dos oráculos de Deus. 

Converter é abandonar a própria visão da vida e aceitar o ponto de vista de Deus para as coisas.

Este provérbio propõe: Seja sábio aos olhos de Deus! A bíblia ensina que sábio do ponto de vista de Deus, é aquele que o teme. Reconhecer, ter medo e reverenciar quem Deus é. Isto é o primeiro passo.

O conselho extraído da Escrituras envolve a ideia de depender de Deus. Mateus 5:3 diz: “Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus;” Consulte a Deus, tema, exerça a sua convicção de quem Ele é.

Confesso que muitas vezes temo que minha falta de humildade em determinadas posturas possa me levar à ruína. A falta de humildade nos leva a querer ser independente ou arrogante ou auto-suficiente. Oro por isso e clamo misericórdia. Na verdade, qualquer Evangelho que não resulta em poder, leva para arrogância.

Precisamos igualmente vigiar os próprios atos para que não sejamos negligentes ao entregar conselhos vazios de espiritualidade para vida das pessoas. Na verdade é: Nunca devemos cobrar e não ajudar. Proibir e não instruir. Trazer o choro e não consolar. Falar de poder de Deus sem mostrá-lo na própria vida.

Outras transcrições para este provérbio que complementaria a reflexão são: Não sejas sensato ou profundo para si mesmo. Não produza frutos para sua própria cobiça. Não seja sabido no sentido superficial e pejorativo e nem sejas estribado no próprio entendimento. Ou mesmo ilhado na própria soberba, mas humilhe diante Daquele que é o Senhor de tudo e todos.

Aceite que por Deus ter te criado, significa que Ele sabe o que melhor pra você. Como Ele disse a Jeremias: “Antes que te formasse no ventre te conheci...” Reverencie a Deus, esteja Nele. É para o bem da sua própria existência. 

Seguindo o raciocínio, caminhamos para a parte do aparte-se que, pela indicação bíblica, só vem com o temor ao Senhor. Por isso, Há dois textos registrados nos Evangelhos que ensina sobre o temor e sobre apartar do mal.

  1. Temor: Matheus 10:28 diz: "E não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno a alma e o corpo." Ao invés de termos medo de homens, devemos ter medo de Deus. O ensinamento é simples: “Não amedrontar-se por aqueles que podem fazer mal temporariamente, mas temer aquele que tem o poder de condenar eternamente.”
  2. Apartar do mal: João 14:30 "Já não falarei muito convosco, porque se aproxima o príncipe deste mundo, e nada tem em mim;" Forte e profunda fala de Jesus que vem depois da instrução Dele a respeito do Espírito Santo. No verso 27, Jesus instrui também a respeito do temor ao dizer: Não fiquem assustados no coração. Em outras palavras: Não cedam ao medo. Apesar do mal parecer estar prosperando, não ceda a ele. Então, apartar-se do mal é uma ação que se resume na própria fala de Jesus ao dizer que o diabo não tem nada Nele. Nenhum sentimento, nenhuma vontade, nem uma brecha. E ao dizer isso depois de prometer o Espírito Santo, Cristo indiretamente indica por este e outros versículos que este é também um dos papéis do consolador. Transcrito em hermenêutica própria seria: Não fiquem com medo, eu enviarei aquele que os ajudará nesta luta para que o mal também não tenha nada em vocês. O argumento é: Se o mal não tem nada Nele hoje, poderá ter amanhã? Não. Se hoje do Ser Atemporal de Deus é o mesmo de ontem, significa que se o mal não teve parte em Deus ontem, não terá espaço hoje no mesmo lugar onde habita o Espírito de Deus.

Enfim, ser sábio aos próprios olhos é exercer uma crença meramente intelectual. É apenas crer dizendo e não vivendo. Uma crença que vive apenas na extensão humana. Sabe o que isso significa? Que nossa sabedoria precisa produzir frutos para Deus. Frutos dignos de arrependimento e frutos que permaneçam. Esta é uma diretiva do Nosso Pai. E a melhor demonstração de ser sábio aos olhos de Deus é não pecar para própria condenação.

Em Jesus.

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Numeros 12 - Moisés, a mulher etíope (cusita) e a postura de Arão e Miriã.

Segue alguns ensinamentos que aprendemos com a história do “casamento” de Moisés com a mulher etíope (cusita), com postura de Arão e Miriã registrada em Números 12. Nesta passagem é narrada uma rebelião contra Moisés.

Os ensinamentos são: 

  • REBELAR É DIFERENTE DE SERMOS TRANSPARENTES EM RELAÇÃO A UM POSSÍVEL ERRO DE SEU LÍDER. O CORRETO ERA CONVERSAR (Conversar é diferente de questionar) COM MOISÉS E NÃO TENTAR SE LEVANTAR COMO LÍDER NO LUGAR DELE. (v.1 e 2) 
  • DEUS É QUEM NOS DEFENDE PRINCIPALMENTE SE FORMOS MANSOS. A BÍBLIA FAZ QUESTÃO DE CITAR A MANSIDÃO DE MOISÉS. (v.3)
  • QUANDO O GOVERNO É TEOCRÁTICO, O PRÓPRIO DEUS É QUEM REMOVE DA LIDERANÇA QUEM ELE QUER. (v.4 ao 9)
  • DEUS TINHA UMA RELAÇÃO DIFERENTE COM MOISÉS. ISTO ENSINA QUE DEVEMOS TEMER (Medo Reverente) ANTES DE SE REBELAR CONTRA ALGUMA AUTORIDADE. (v.6 ao 8)
  • A DISCIPLINA CABE MUITO BEM NO CASO DE REBELIÃO. (v.9 ao 15)

Centralidade de Cristo


O Velho Testamento aponta para Novo Testamento mostrando a CENTRALIDADE DE em JESUS CRISTO como o propósito de Deus, a Salvação dos homens, a própria RAZÃO da existência humana. TODAS AS COISAS são respondidas em Jesus e em ser como Ele é.

Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou1 João 2:6 – O interessante deste texto é: Se dissemos que estamos em Jesus, então devemos andar nos mesmos passos Dele. Soa como obrigação. Fé em Jesus e conformidade com seu caráter são essenciais.

Em Filipenses 2:5 diz "De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus. Primeiro passo para sermos como Jesus é a Humildade . Isso tem uma profundidade essencial no caráter cristão que será construído. Humildade está no aceitar sua condição de necessitado (Pedir Ajuda), e humilhar-se voluntariamente.   

No texto de Matheus 11:28-30, alem de apontar para humildade, Jesus convida para aprendermos a sermos mansos como Ele é. Mansidão é alguém que foi tratado por Deus, como um animal domado e amansado. Não reage por si mesmo.

Em Efésios 4:11-13 ensina que parecer com Cristo é o nosso alvo. A medida do varão Perfeito. Para chegarmos nessa medida, preciso entender o texto e o contexto que fala sobre Unidade. Costumo dizer que quando temos a mesma essência, temos a mesma Unidade, pois para mim essência é o ponto central para termos a mesma unidade e para chegar no alvo.
Jesus disse a respeito de si mesmo em João 14:6 que Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida. A única forma de chegarmos ao Pai é por Ele.

Segundo Genesis 1:26 e Romanos 8:28,29 ser semelhante a Jesus é o nosso propósito maior. A Bíblia relata todas as coisas (Não apenas algumas) cooperam para o bem daqueles que o amam e que são chamados para este propósito.

A Bíblia ensina em Romanos 11:36 “Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém. “ Tudo que temos é Dele, tudo que somos é por intermédio Dele e tudo que viermos a ser é para Ele. Tudo deve se justificar em Jesus.

Em outros termos: Devemos ser manso como Ele, Humildes como Ele, Servos como Ele, Amorosos como Ele, Perdoadores como Ele, Servos do Evangelho e Discipuladores como Ele, Sofrendo como Ele e Perseverando Santo como Ele, Aquele que é o “Cabeça do Corpo” e “Líder da Igreja”, Jesus Cristo.

sábado, 26 de janeiro de 2013

A Raiz do Mal - Parte 1


E também já está posto o machado à raiz das árvores; toda a árvore, pois, que não dá bom fruto, corta-se e lança-se no fogo. Lucas 3:9

Este capítulo 3 de Lucas dá uma demonstração porque João foi apontado por Jesus em Matheus 11 como o maior profeta que existiu até a sua vinda. A Bíblia não relata sinais e prodígios feitos por João Batista. Nem mesmo a sua história ganhou um livro na própria bíblia como outros profetas ganharam. Mas, a favor de João está o anúncio do caminho do Salvador numa dimensão muito profunda.

Em resumo poderíamos descrever que:
  • Pregação sobre arrependimento para remissão dos pecados.
  • O Batismo é uma espécie de selo da morte de uma velha vida que começa em uma transformação de convicção interna.
  • O diagnóstico Espiritual de que aquela geração é uma geração de víboras. Ele sabia que maldade estava dominando o mundo e principalmente aquele tempo sobre Israel
  • Pregou que a única forma de fugir da ira vindoura era através do arrependimento.
  • Ensinou que frutos dignos de arrependimento começam na destruição da raiz do mal. Porque se raiz é má não tem como a árvore ser boa.

Por machado à raiz ensina sobre o tipo de luta que travamos contra o mal. Muitas vezes lutamos contra atitudes de pessoas se opondo a elas e não ao mal por trás delas. Opor-se a pessoas é atuar contra o tronco. A raiz do mal é o que dá direito ao inimigo de se apossar e escravizar. O problema tem um nascedouro e é lá que devemos combater.

Continua...


Chamado - Correr com Cavalos

Cavalos

Se te fatigas correndo com homens que vão a pé, como poderás competir com os cavalos? Se tão-somente numa terra de paz estás confiado, como farás na enchente do Jordão? Jeremias 12:5

Pelo contexto do livro de Jeremias, Deus estava respondendo ao autor que ele não deveria lamentar pela dificuldade que enfrentava naquele tempo. Deus estava alertando sobre a chegada de um tempo em que as coisas ficariam ainda mais difíceis. O texto é um convite de Deus para uma vida de excelência independente da situação que vivemos.

Ao extrairmos o princípio, percebemos que a vida excelente não esta destinada apenas para aquele tempo, mas para o hoje. Numa parábola, podemos dizer que vivemos na atualidade, os tempos incertos da “enchente do rio Jordão”. O mundo vai de mal a pior. Crentes não tão crentes. Humanos não humanos. Enfim... Por outro lado, está começando a ocorrer um fenômeno. As pessoas estão sedentas pela integridade. O óbvio me diz que só temos sede de algo que nos falta. 

Não diferente a tudo que esta acontecendo, quero alertá-los devido algumas situações que nos parecem ser favoráveis, mas que numa análise mais profunda, não é a realidade. Criaram uma falsa impressão de que nossa condição atual está melhor do que realmente está. Recentemente, algumas pesquisas indicaram que o Evangelho está em crescimento, entretanto, isso não se reproduz em qualidade atestada pela função salina que Deus destinou. A Bíblia diz que "Se o sal não salgar, para nada presta".

Conclusão: Os frutos reais são bem diferentes dos frutos bíblicos. Os nossos heróis viveram totalmente diferentes da realidade que se apresenta. Eles não buscavam reconhecimentos, fama, conforto e comodidade. Jesus foi crucificado e disse que não tinha onde reclinar cabeça. A vida de Jesus parecia ser um total fracasso do ponto de vista humano. Ele viu seus amigos e discípulos o abandonarem no momento mais difícil que ele sofreu. Paulo, o maior líder cristão que existiu, passou suas últimas horas em uma masmorra, sofrendo frio e reclamando de abandono. 

Meu Deus, eu choro ao escrever isso e comparar com minha realidade!

Descubra a sua real natureza

A bíblia cita em Jeremias 1:5. “Antes que te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da madre, te santifiquei; às nações te dei por profeta.”

Posso começar dizendo que fomos destinado a coisas grandes! Mas não na medida da grandeza que a visão secular tem por referência. Nossa vinda a este mundo não é por acaso. Nós temos duas escolhas: Sofrer em vão ou sofrer por um causa que vale a pena. Esta é a nossa medida de grandeza: Sofrer por algo que valha a  pena!

Vamos pensar juntos: Quando lemos Jó 31:15 que se refere a “Aquele que te formou no ventre” e Romanos 8:30 que diz “E aos que predestinou”, ao reunir estes versículos e tendo em mente outras passagens, podemos concluir que antes de qualquer coisa, Deus já nos conhecia. Não apenas isso, de antemão Deus planejou o que fossemos o seu propósito.

De acordo com plano de Deus, existe um alvo existencial. Tentar ser o que a gente deseja apenas, sem consultar aquele que já me conhecia antes, é não explorar toda capacidade que Deus nos destinou. Fomos reservados, e dentro deste plano, Ele nos deu para alguma coisa. Dar é o resultado do amor radical de Deus como diz em João 3:16.

Pense: Se Ele me conheceu antes mesmo da minha existência, isto me instrui que para conhecer a mim mesmo é necessário ajuda do próprio Deus. Autoconsciência é crível apenas se for à luz do Espírito Santo e a medida da sua Santa Palavra.

Portanto, não lute contra a própria natureza. Pelo contrário, descubra a sua própria natureza. Seja sensato e busque a cada dia mais se entregar a Jesus. Não foque as coisas passageiras, focalize as coisas eternas, pois tudo que é passageiro não tem poder de nos limitar quando olhamos para aquilo que é eterno. A vida cristã não é fácil, mas é extremamente glorioso quando o foco está no Autor.

Lembre-se: Nós fomos chamados pelo Eterno e para o eterno.

Que Deus nos dê esta graça.